Publicações e Eventos

Transação de débitos tributários federais é regulamentada

Por meio da Medida Provisória n.º 899, promulgada no dia 16 de outubro deste ano, o Poder Executivo estabeleceu as condições gerais para a realização de transação de débitos tributários federais em duas modalidades:

(i) por proposta individual ou por adesão, para cobranças na Dívida Ativa; e

(ii) por adesão, nos demais casos de contencioso judicial ou administrativo tributário.

 

Muito embora o instituto da transação esteja previsto na legislação tributária desde 1966, no artigo 171 do Código Tributário Nacional (CTN), sua aplicação não se concretizou por falta de regulamentação.

 

De acordo com a Medida Provisória, caberá à Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN) negociar com os contribuintes acordos específicos e individuais para pagamento de débitos oriundos do inadimplemento de tributos federais inscritos em Dívida Ativa. A norma prevê que não será possível a redução do montante principal do débito tributário, mas poderão ser acordados novos prazos, condições de pagamento, substituição ou alienação de garantias e eventuais descontos de juros, multas e encargos.

 

A PGFN poderá negociar redução de até 50% do valor total da soma dos juros multas e encargos dos débitos considerados de difícil recuperação (classificados nos grupos “C” e “D” pelos critérios apontados pela Portaria MF 293/2017) e/ou prorrogação de prazo em até 84 meses. Na hipótese de transação envolvendo pessoa natural, microempresa ou empresa de pequeno porte, o prazo de quitação será de até 100 meses e o limite de redução será de até 70%.

 

A negociação da transação dos débitos em cobrança na Dívida Ativa envolverá uma análise prévia do grau de recuperabilidade das dívidas, levando em consideração diferentes aspectos, como, por exemplo, o histórico do contribuinte, o tempo de inscrição do débito em dívida ativa, a jurisprudência administrativa e judicial, além da capacidade financeira do contribuinte de pagar os tributos devidos, na forma a ser regulamentada.

 

Adicionalmente, o Ministério da Economia foi autorizado a propor aos sujeitos passivos transação resolutiva de litígios tributários ou aduaneiros que versem sobre relevante e disseminada controvérsia jurídica, com base em manifestação da PGFN. Nessa modalidade de transação, o sujeito passivo da obrigação tributária solicitará sua adesão à transação proposta em edital a ser publicado na imprensa oficial. Contudo, como já se firmou nos programas de parcelamento anteriores, a desistência do litígio por parte do contribuinte será um pré-requisito.

 

Não serão abrangidos pelos benefícios da transação as multas de natureza criminal ou as penalidades decorrentes de dolo, fraude ou simulação (artigo 147 do CTN). Ainda, pessoas físicas e jurídicas que praticaram atos fraudulentos como forma de evitar o pagamento de tributos não poderão negociar suas dívidas.

 

A Medida Provisória determina, ainda, que as modalidades de transação dependerão de regulamentação adicional por ato do Procurador-Geral da Fazenda Nacional, no que se refere à transação de tributos cobrados em dívida ativa, e do Ministério da Economia, para a transação por adesão no contencioso tributário.

 

A norma avança ao estabelecer as regras gerais para implementação desse importante instrumento, que será especialmente relevante para empresas em recuperação judicial, em processo de liquidação ou em dificuldades financeiras.

 

O prazo inicial de vigência da Medida Provisória será de 60 dias, prorrogado automaticamente por igual período caso sua apreciação não tenha sido concluída nas duas Casas do Congresso Nacional.


   

Leia também:
 

 
Confira mais artigos e notícias, clicando aqui.

Limpar Ver Todos

Últimas Notícias e Artigos

Notícias Jurídicas

Mantenha-se atualizado com as principais notícias e artigos!

Receba Nosso
Mailing